Suivez-nous

Accueil > S’informer > Dossiers > Saara Ocidental, ano 40 : História, estratégias e desafios para o (...) > Canções do Exílio

Saara Ocidental, ano 40 : História, estratégias e desafios para o futuro

Canções do Exílio

, por LAKHAL Hamza

A bandeira da RASD marca o muro do bairro de Matalla, no centro da capital ocupada de El Aaiun. É possível perceber as tentativas da administração marroquina de apagar os vestígios deixados pelos saarauis. Crédito : Laura Daudén
El Aaiun, Saara Ocidental, 2009.

Permanecerás solitário
Como estás... sozinho!
A dor das noites longas
Os olhos que não dormem
E o vinho que permanece
O único amigo dos bêbados
E tu... Solitário como estás...
Navegando mares...
Cruzando cidades...
E tu vens e vais
Como sempre... desacompanhado!

Talvez lá no interior
Cantem como cantam
Os rouxinóis
E tu, tão louco
De amor pela pátria,
Tu que amas a areia...
Amas os pomares!
É por isso que estas atônito...
E proteges tuas mãos
Quando o ranger das correntes
Era demasiado para aguentar
E tornas-te solitário
Quando « Fairuz » canta a ti
“O vizinho do vale”
Cantando como uma memória em luta

Ainda demandas
O fim da escuridão?!
Enquanto tua sombra ainda corre
Atrás das tendas?!
Como conseguirias cantar
Canções matinais
Enquanto teu coração grita:
"Ei! Tu que dormes!?"

Eres prisioneiro do desejo das viagens...
E das melodias da poesia
Uma cobertura ou palmeiras!
Mulheres ou deserto!
E aquela bela voz
Um som triste e vazio
É para ti um tendão de Aquiles
A ti lançado pelo exílio!
E permaneces solitário
Como já estás, sozinho!
Do vento vens
Ao vento vais
Estrangeiro como um grão de areia errante
No vento cresces
E no vento sofres
Fugitivo como a rima em um poema
E perguntas pela terra de « Saguia »
Demandando às nuvens por tua terra querida
« - Aquela lá em frente é minha pátria?
Responda-me para que sobreviva
Responda-me para que me cure
Meu país são minhas feridas...
Minhas feridas são meu país... »
Mas ninguém te responde.
As nuvens não confessaram.
A manhã tampouco chegou.
As questões não curaram tuas feridas
E não há terra que seja tua
Tua casa é o vento
É teu exílio... /
Teu abrigo... /
Tua vida... /
Tua viagem... /
Tua volta... /
Não há terra que seja tua...
Exceto esta miragem
Para ti não há abraços...
Exceto os de ausência
Está sozinho como Ulisses
Lutando contra a saudades da pátria
Lutando contra as ondas
Lutando contra estar separado de teu próprio povo
E a decepção dos companheiros
E a praga do Conselho de Segurança, da hipocrisia
Sozinho....
Estranho...
Deslocado...
Um fugitivo...
Não há terra que seja tua
Não... E não tens direitos
De viver sem tormentos
E sem destruição
Ainda sim, um dia lês o jornal
E vê que há outra resolução
Mas o que ocorreu?!
Do vento vens
Ao vento vais
Estranho como um grão de areia em fuga
E permaneces sozinho
No vento cresces
E no vento sofres
Fugitivo como a rima em um poema
E o que ocorreu?!
Do vento vens
Ao vento vais
É verdade que permaneces sozinho?!
No vento cresces
Com o vento sofres?!
E permaneces sozinho?!
E sofres sozinho?!
E sofres...
E permaneces...
Solitário...
E sofres
E permaneces
sozinho como eres?!

Nouveautés

Ressources documentaires

Accéder à toute la documentation

Formations

Toutes les formations

Campagnes

  • Pour l’interopérabilité des géants du Web ! Lettre commune de 45 organisations

    La Quadrature du Net, soutenue par 45 organisations dont Ritimo, demande au gouvernement et au législateur d’agir pour que les grandes plateformes (Facebook, Youtube, Twitter…) deviennent interopérables avec les autres services Internet.

  • Contre le G7, pour un autre monde ! mobilisations du 19 au 26 août à Hendaye-Irun

    Du 19 au 26 août, des initiatives alternatives sont organisées au Pays Basque. Communiqué des plateformes nationale et basque.

Toutes les campagnes

À lire sur les sites des membres

Tous les articles